Corrida de São Silvestre Usando a Corrente Crítica – post #7

Resultados Obtidos

É “Dia de Reis” de 2011. Passados sete dias da Corrida de São Silvestre 2010 e da utilização do Método da Corrente Crítica no acompanhamento e controle de meu desempenho na prova, é chegada a hora de fazer um balanço dos resultados alcançados.

Em primeiro lugar quero enviar um agradecimento especial ao Fábio Vampel e ao Vitório Cabral que se voluntariaram a passar as últimas horas de 2010 trabalhando no ‘war room’ do projeto – vocês foram brilhantes! Muito obrigado. Quero ainda estender o agradecimento aos diversos amigos que acompanharam ‘on line’ o desenrolar da corrida e do acompanhamento do meu desempenho através do Twitter. Me senti um legítimo BBB (éca!).

Vamos diretamente aos resultados e depois, num outro post, às conclusões e às lições aprendidas.

Rememorando o planejamento original, o projeto foi definido através da seqüência de 14 trechos dependentes pela relação FS (Finish to Start) e estimativas de tempo refletindo meu melhor desempenho histórico em treinos (Tempo Basal – agressivo) e um Fator Deflator associado ao nível de complexidade de cada trecho (post # 3). Pelo plano original, meu compromisso de término da prova foi estabelecido em 1 hora e 44 minutos. A Tabela 1 abaixo ilustra o plano original.

TABELA 1: Plano Original

Posteriormente, as estimativas originais de tempo de cada trecho foram divididas em duas partes: a nova estimativa de tempo para o trecho sem as proteções probabilísticas (tempo ‘enxuto’) e uma componente de contribuição para o Pulmão do Projeto (post # 4). O novo cronograma em Corrente Crítica passou a totalizar 45 minutos de tempo efetivo para o cumprimento dos 14 trechos, acrescido de 59 minutos de Pulmão do Projeto. Observem que eu havia adotado a divisão 50/50 para a extração das proteções dos tempos originais, mas o aplicativo que usei para calcular a Corrente Crítica não reconhece os décimos de minutos na coluna de durações, portanto, o novo cronograma ficou menor do que o Pulmão do Projeto. Observe ainda que eu tomei a decisão de integrar TODA a proteção extraída dos tempos originais ao Pulmão do Projeto – isso não é estatisticamente necessário, entretanto, é uma forma bastante adequada de convencimento ao leigo em CCPM. Em suma, meu compromisso de término da prova permaneceu inalterado em 1 hora e 44 minutos. A Tabela 2 abaixo ilustra o plano em Corrente Crítica.

TABELA 2: Plano em Corrente Crítica

O procedimento de controle do projeto foi definido do seguinte modo:

1) Pelo celular eu comuniquei ao ‘war room’ o momento exato de passagem pelo 1º tapete de largada e o cronômetro foi disparado;

2) O ‘war room’ me informava o número do trecho, a duração e o marco físico de término. Por exemplo, no trecho 1, o ‘war room’ me dizia: “Trecho 1. Distância hum Quilômetro. Até o início da Rua da Consolação”;

3) Ao cruzar o marco de término do trecho, eu comunicava ao ‘war room’ o momento exato de passagem e o cronômetro era parado no contador de voltas (laps);

4) O ‘war room’ inseria o avanço físico de 100% do trecho e o tempo real de execução no aplicativo Prochain e calculava o consumo do pulmão;    

5) O ‘war room’ me informava o desempenho no trecho através dos seguintes indicadores: Tempo real e tempo estimado do trecho, consumo de pulmão percentual acumulado até o trecho e fator de consumo até o trecho (quociente entre o % avanço físico e % de consumo de pulmão)

6) De posse das informações recebidas, eu tomava as ações necessárias para manter o projeto dentro do cronograma, ou seja, eu administrava o meu ritmo e a minha corrida.

7) A cada trecho repetiram-se os passos 2 a 6, até o final da prova. 

As Tabelas 3 e 4 abaixo ilustram o meu desempenho real durante a prova.

TABELA 3: Indicadores Primários de Controle

TABELA 4: Indicadores Consolidados de Controle

Em suma, terminei a corrida em 1 hora e 25 minutos, 19 minutos a menos do que o que eu havia me proposto fazer – saldo remanescente do Pulmão do Projeto. Isso corresponde ao uso de 66% (dois terços) do Pulmão do Projeto e economia de um terço.

A simplicidade das informações de controle que eu recebia ‘on line’ (e o meu desempenho surpreendentemente acima do normal naquele dia) me mostrou, a todo o momento, que eu estava acima da meta e que eu terminaria a corrida bem antes do tempo combinado – a menos de um acidente, ou de uma queda significativa de desempenho nos últimos trechos, a propósito, os mais difíceis (a subida da Avenida Brigadeiro Luis Antônio).

Desde o primeiro relato de desempenho recebido do ‘war room’, apontando que eu estava consumindo menos pulmão do que avançava fisicamente, minha meta deixou de ser terminar a prova em 1 hora e 44 minutos e passou a ser terminar a prova no menor tempo possível.

E essa é a grande vantagem do uso do Método da Corrente Crítica na gestão dos projetos: Não é a simples aplicação da CCPM que fará o projeto terminar no prazo, ou antes. Mas sim a motivação da equipe de gestão para tomar ações de controle, diante da objetividade, simplicidade e presteza das informações de monitoramento que o método oferece. 

No próximo post, tal como sempre deve ser feito em qualquer projeto, comentarei sobre as lições aprendidas deste projeto.  

Alonso Mazini Soler, PMP – Profissional de Projetos, Professor de MBAs e Autor de livros de Gerenciamento de Projetos

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: