CONSTRUTECHS NA NUVEM, “AS A SERVICE”

XaaS (“Anything as a Service” – pronuncia-se “Zaaz”), ou “tudo como serviço” é um conceito e uma tendência estratégica de negócios do mundo da Tecnologia da Informação que altera o modo de entrega de seus produtos – estes, deixam de ser comercializados como produtos físicos, tais como licenças de software e hardware, para serem ofertados como serviços, disponíveis na nuvem (“cloud computing”) e pagos através de contratos sob demanda.

Vantagens e desvantagens do Xaas

Essa tendência altera a contabilização dos recursos de TI que deixam de ser tratados como ativos de investimentos, inseridos no CAPEX da empresa, e passam a ser geridos como despesas do fluxo de caixa. Assim, a grande vantagem do XaaS, para quem contrata os serviços, reside na contenção de investimentos e a desimobilização de ativos, associados ao recebimento de serviços especializados e constantemente atualizados, pagos a preços razoáveis. Por outro lado, a principal desvantagem, aponta para o aumento das despesas correntes que oneram o fluxo de caixa mensal – um deslize nesse quesito tende a inviabilizar a empresa.

SmartContracts

Um contrato de serviços executado através da nuvem, garante às partes a observação estreita das condições negociadas de modo autônomo através da própria tecnologia, um perfeito exemplo de SmartContract, tal como este tem sido abordado nos últimos posts deste blog. Por um lado, o pagamento do preço acordado, na periodicidade acordada permite a continuidade na prestação de serviços, ou a sua interrupção, em caso contrário. Por outro lado, questões relacionadas ao desempenho dos serviços contratados, suas integrações, questões de segurança e de suporte técnico asseguram ao contratante o nível de serviços contratado.

Serviços padronizados e parametrizáveis

O ecossistema das startups, particularmente daquelas voltadas à indústria da construção, tende a se beneficiar e se orientar para a prestação de serviços padronizados e parametrizáveis, através da nuvem (“as a service”). Perceba que o adjetivo “padronizado”, não impõe uma limitação ao escopo contratado, mas sim, à possibilidade de customização do serviço contratado aos parâmetros demandados, permitindo a mediação remota da tecnologia e a digitalização intensiva da gestão (com todas as suas vantagens e desvantagens intrínsecas), desvinculadas do contato físico e subjetivo humano.

Construtechs na nuvem, “as a Service”.

É o caso, por exemplo, de se conceber a modelagem e a compatibilização dos projetos de arquitetura e engenharia como serviços ofertados na nuvem, ou ainda, serviços de procura, compra e a contratação de recursos (equipamentos e materiais) adequados e a menor custo para as obras, ou ainda, serviços remotos de automação dos canteiros através de dispositivos móveis e sensores vestíveis inteligentes, assim como, serviços de gestão dos contratos e de documentos, etc.

A tendência da construção se desloca da disposição concentrada de funcionários para a agregação de serviços integrados contratados na nuvem e pagos sob demanda.

O céu é o limite

Inovação tecnológica tem sido considerado o pavimento firme para o futuro do segmento da construção, capaz de garantir maior eficiência, transparência e lisura nas operações técnicas e de gestão.

Mas o fundamento de qualquer inovação tecnológica está associado a escalabilidade exponencial da ideia. Não é qualquer epifania empreendedora que alavancará um protótipo, e aqui reside a oferta remota de serviços na nuvem (“as a service”) como facilitadora do processo de viabilização das Construtechs.

Por:

Alonso Mazini Soler, Doutor em Engenharia de Produção POLI/USP, Professor da Pós Graduação do Insper e da Plataforma LIT Saint Paul. Sócio da Schédio Engenharia Consultiva – alonso.soler@schedio.com.br

Gostou do artigo? Deixe seus comentários, compartilhe com os amigos e acompanhe semanalmente o Blog do Soler pela plataforma WordPress, ou pelo Facebook e LinkedIn.

#Construção #Inovação #Construtechs

Anúncios

One Response to CONSTRUTECHS NA NUVEM, “AS A SERVICE”

  1. Fernando Souza disse:

    A decisão entre comprar ou alugar um serviço depende das condições de cada empresa, das condições do contrato, das condições e maturidade da gestão, e vejo que muitas decisões não estão baseadas em razões práticas e técnicas, mas sim no comportamento pragmático da organização.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: